• Facebook
  • Youtube
  • Google Plus

Notícia

19 de Junho, 2019

"Espírito Santo, artífice da comunhão e artista da reconciliação", afirma Papa

Na Audiência Geral desta quarta-feira (19), Francisco falou da linguagem da verdade e do amor, que é universal: mesmo os analfabetos podem compreendê-la

A Praça São Pedro, aquecida pelo calor do verão e lotada de fiéis, turistas, peregrinos e romanos, foi o palco da audiência geral do Papa nesta quarta-feira (19). Depois de dar uma longa volta com o papamóvel saudando de perto as pessoas, Francisco proferiu uma catequese baseada no relato de Pentecostes.

Cinquenta dias depois da Páscoa, os Apóstolos, reunidos em oração no Cenáculo de Jerusalém, vivenciam uma experiência muito além de suas expectativas: experimentam a irrupção de Deus. “De repente veio do céu um ruído como de um vento forte como um sopro primordial; apareceram línguas como de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles. Ao vento somou-se então o fogo, que na tradição bíblica, acompanha a manifestação de Deus. É a expressão simbólica de sua obra de aquecer, iluminar e tocar os corações e seu cuidado com as obras humanas”, disse o Pontífice.

Amor, sinceridade, verdade, gestos: linguagem universal

O Santo Padre explicou que a palavra dos Apóstolos fica impregnada do Espírito do Ressuscitado e se torna uma palavra nova e diferente, mas que pode ser compreendida como se fosse traduzida simultaneamente em todas as línguas: de fato, cada um ouvia os discípulos falar em sua própria língua. “Trata-se da linguagem da verdade e do amor, que é universal: mesmo os analfabetos podem compreendê-la. Todos entendem a linguagem da verdade e do amor. Se você usar a verdade, a sinceridade e o amor, todos entendem, até um gesto amoroso”, ressaltou Francisco.

O Papa deu uma explicação bastante clara deste fenômeno, dizendo que o Espírito Santo não se manifesta apenas mediante uma sinfonia de sons que une e compõe harmonicamente as diversidades, mas, segundo ele, é também o maestro de uma orquestra que executa partituras das grandes obras de Deus. Segundo o Santo Padre, o Espírito Santo é o artífice da comunhão, o artista da reconciliação que sabe remover as barreiras entre judeus e gregos, escravos e libertos, e fazer deles um único corpo.

Todos ficam tão maravilhados que se pensa que estejam embriagados

“Então Pedro intervém em nome de todos os Apóstolos, definindo o ocorrido como a ‘sóbria embriaguez do Espírito’, que acende no povo a profecia com sonhos e visões. E este é um dom de todos os que invocam o nome do Senhor”, assegurou o Papa.

Para o Pontífice, a palavra de Pedro é frágil e capaz até de renegar o Senhor, quando fica permeada pelo fogo do Espírito ganha força, torna-se capaz de tocar os corações e movê-los à conversão. A Aliança nova e definitiva está fundada, já não sobre uma lei escrita em tábuas de pedra, mas na ação do Espírito de Deus.

Ao concluir, o Papa afirmou que o Espírito opera a atração divina, onde Deus seduz com seu Amor envolvendo a todos, para mover a história e iniciar processos através dos quais filtra a vida nova. “Só o Espírito de Deus tem o poder de humanizar e confraternizar com cada contexto, a partir de quem o recebe. Peçamos ao Senhor que nos faça experimentar um novo Pentecostes, que abra os nossos corações e sintonize os nossos sentimentos com os de Cristo, para que possamos anunciar sem vergonha a sua palavra transformadora e testemunhar a força do amor que chama à vida tudo o que encontra”, exortou Francisco.


Fonte: Amex, com Vatican News



Contato

Mensagem enviada com sucesso! Aguarde que entraremos em contato.

Erro ao enviar a mensagem, tente novamente.